Ora cá está o primeiro grande projeto de 2008!… ou melhor, 1/4 dele. Ou isso: um quarto. Depois de termos decidido trocar de quartos, pais e filha meteram mãos à obra no fim-de-semana do Carnaval e revolveram metade da casa. Sim, porque trocar de quartos é, na prática, trocar quatro divisões – dois quartos e dois closets. Móveis, roupas, livros, brinquedos,… tudo foi retirado do sítio, analisado (destralhado), reorganizado e tornado a arrumar. Inicialmente, o pai não estava muito a favor desta mudança nesta altura, e só foi possível convencê-lo garantindo que não seria preciso fazer pinturas agora (talvez lá mais para o verão…). Abdicámos desta tarefa e lá conseguimos arrastar o homem… a refilar um bocadinho mas, ainda assim, a fazer-nos a vontadinha! 😉

O final de 2017, como todos os finais de ano, foi demasiado agitado para que pudéssemos parar para pensar e janeiro, como todos os janeiros, foi o mês para fazer planos, pelo que só agora conseguimos fazer um balanço correto do ano que passou e organizar ideias para este ano.

PESSOAL, PRECISAMOS DE VOCÊS! Quem se lembra desta Caixa Métrica? Quem teve uma na sua sala de aula? Queremos saber tudo acerca destas caixas, mas precisamos que nos digam coisas, mesmo que vos pareçam pouco importantes. Uma história, uma leve memória ou apenas um “sim, na minha sala havia uma” ou um “nem sabia que isso existia”… qualquer coisa, todas as informações são úteis para nós. E se soubéssemos quem as construiu, ui!, seria o máximo! Ajudem-nos a obter informações partilhando esta publicação. Quem sabe entre o vosso grupo de amigos não estará alguém cujo familiar trabalhou na construção desta peça? Comentem aqui e partilhem, partilhem, partilhem esta publicação. É importante para nós. Pode ser?

2017 já lá vai, mas só agora consegui fazer o balanço das últimas semanas da grande tarefa que nos impus de destralhar todos os dias.
E será que conseguimos realizar esse feito? Ai não! Conseguimos, pois! Confesso que nunca sequer cheguei a ponderar desistir. A dificuldade esteve só em fazê-lo literalmente “todos os dias”… mas bastou ajustar essa regra a “uma coisa por dia” e foi “trigo limpo farinha amparo”! Podíamos não ter essa preocupação diariamente mas chegávamos ao fim-de-semana e destralhavamos pela semana toda! E destralhámos muito mais do que apenas 365 itens porque, muitas vezes, contámos conjuntos de itens (uma pasta de papeladas várias, uma gaveta de objetos, uma caixa de tralha,…). Isto faz-me chegar à conclusão que temos milhares de objetos em casa… milhares! (E eu a pensar que poderíamos não ter os 365 de que iria necessitar para cumprir o objetivo… Provavelmente ainda temos mais 365!)
Pois, então, aqui ficam os últimos objetos que sairam desta casa em 2017:

… e com o móvel mais ideal pra ali, que poderia haver!
Quando remodelámos o hall – que fica entre a cozinha, o escritório, a sala e o quarto de banho (espaço difícil, este, com quatro portas!) – fiquei sempre com a sensação que o projeto não tinha ficado concluído. Duas das paredes estavam lindas, enquadradas, mas sempre que saía do quarto de banho dava de caras com uma parede vazia e sem graça. Sempre foi uma perspetiva deste espaço muito aquém das outras.