Um dia pegamos em mais uma caixa de papelada para destralhar e eis o que se descobre: fotografias de uma das nossas primeiras casas, que resolvemos “arranjar” com as nossas próprias mãos. Destralhar tem destas coisas… e, para verem que esta mania de nos armarmos em jeitosos não é mania recente, aqui está a prova.
Aos 21 anos alugámos, com mais duas colegas da faculdade, um apartamento em Alcântara a cair de velho (mas lindo!), negociando uma renda mais baixa em troca das obras (feitas por nós).

Ai, férias, férias!
A semana passada ouvi uma rubrica na Antena 3 acerca de uns estudos que concluíram que uma semana de férias é o ideal para nos libertarmos do stress e fortalecer o nosso sistema imunitário durante um mês. Mais do que uma semana em nada aumenta a nossa satisfação, dificultando – isso sim – o regresso ao trabalho e a chamada “depressão pós férias”. De facto, por todo o lado ouço queixas acerca do final das férias e do regresso ao trabalho… e, de facto, eu também sei o que isso é. Não que o esteja a sentir este ano, que não fomos nem iremos de férias. Aliás, por acaso até estamos a fazer aquilo que os estudos dizem: tirámos 4 diazitos (já contando com o fim-de-semana) em junho e mais quatro há dias. Talvez consigamos tirar mais uns três ou quatro lá para o final deste mês. E, confirmo, nem custa nada voltar ao trabalho porque nem parece que de lá saí. 🙂

Como combinado, as revistas que estavam para ir para o lixo têm vindo a ser novamente folheadas e, hoje, encontrei mais um artigo merecedor de vir para o arquivo. Encontrei esta imagem na revista Caras Decoração de janeiro de 2016.
Olhem que ideia gira: um tapete já guardado pode ser exposto numa parede! Isto leva-me a outra ideia: um tapete liso pode perfeitamente ser pintado à mão por nós, gente jeitosa e cheia de bom gosto.

Lembram-se destes frascos que reciclámos?

 

Dica + DIY

Pois é, entretanto tiveram um upgrade mas nunca cheguei a partilhar.
Acrescentei contas e missangas à tampa e ficaram mais delicados. Os nossos estão no quarto de banho e continuo a achá-los lindos, sempre que lhes pego!