Trabalhos da Cá – como organizamos.

Trabalhos, trabalhos, trabalhos,… acerca dos tantos trabalhos, obras de arte, dos nossos filhos…
No outro dia concluímos mais uma das 52 tarefas deste ano. Não, o panorama não está bonito! Praticamente no último trimestre do ano e tanto ainda nos falta fazer para atingirmos o objetivo a que nos propusemos… bolas!
Bom, o que é certo é que a parede de cortiça do quarto da Cá já está arranjada. O inverno passado, devido a uma bátega de água louca que se abateu sobre a casa, tivemos uma inundação no quarto da nossa miúda. A água escorria pela parede quase em cascata e conseguiu estragar todo o nosso trabalhinho da parede de cortiça. Deixámos que o verão secasse tudo muito bem, e lá voltámos a refazer a parede. A Cá está de novo feliz e contente com os seus trabalhos expostos.

 

 

Esta foi uma das formas que encontrámos para organizar e valorizar, entre outros objetos importantes, os trabalhos dela – desenhos, textos, criações de origami, colagens,… É um espaço só seu, onde tem toda a liberdade para colocar o que quiser, evitando nós a “papelada” espalhada por toda a casa.

Outra forma de valorizar as suas obras é colocá-las em molduras, e foi isso que nós fizemos. Qualquer rabisco numa moldura parece maravilhoso!… até estas figurinhas que ela desenhou em post-it’s (pai, mãe e filha) e colocadas numas molduras mini, mini, viram reconhecida a sua importância, no meio de tantas outras imagens importantes para nós. Antes disso, estavam confinadas a uma gaveta… “de coisas”.

 

 

Como professora de artes, vejo bem o empenho que os nossos filhos têm em certos trabalhos e o gosto que fazem neles. A diferença que faz tratar um desenho com carinho ou colocá-lo numa caixa que nunca mais se volta a abrir! Por isso, vale mais a pena arranjar um espaço especial para os desenhos (nem que seja guardados em micas, num dossier) do que tê-los espalhados em caixas, pastas, gavetas, armários e outros locais desorganizados, que nunca mais serão alvo da nossa atenção.
Este verão, a Cá reservou um dia inteiro para recolher todos os desenhos espalhados pela casa (no escritório, no atelier, no quarto dela, nos arrumos,…) e colocá-los em micas, num dossier de lombada larga. Comprámos duas centenas de micas!
Agora, ficou de fazer uns separadores por idade – dois anos, três anos,… dez… doze…

Quanto às esculturas, pela sua dimensão podem ser fotografadas e guardadas digitalmente. As nossas preferidas também foram expostas. Temos algumas em vários pontos da casa – na sala, no escritório, no quarto dela, no nosso quarto. Entretanto, comprei umas campânulas para proteger as mais sensíveis.

 

 

E porque este é o tema deste fim-de-semana dos ateliers de organização que estamos a realizar no Forum Coimbra, em conversa com uma das dinamizadoras, ela lembrou-se de outra forma de valorizar alguns desenhos: plastificar e usar em casa como individuais (ou oferecer à família).
Já antes disse isto: quando isolamos uma obra dos nossos filhos, quando a valorizamos e lhe damos lugar de destaque, também estamos a valorizar as qualidades deles. Deste modo, dizemos-lhes “Tu és bom, fazes bem e nós gostámos do que fizeste”. Não é só a obra que sai valorizada… é também a criança, o seu empenho… e, está bom de ver, a nossa casa!
Sobre isto, leiam ainda este outro artigo.

Resumindo, eis como podemos organizar os trabalhos dos nossos filhos, passo a passo:

1. Recolher, de uma vez só, num momento único (uma hora, uma tarde), todos os desenhos e construções, tudo o que se pode chamar de “arte”, que anda disseminado pela casa em gavetas, pastas, armários, caixotes, no sótão, no quarto, no escritório,…;

2. Separar em montes por idades;

3. Selecionar de cada monte os mais importantes, mais significativos; os que não têm interesse de maior, não refletem o crescimento dos nossos filhos, nada acrescentam à coleção ou estão em muito mau estado, serão descartados (eu sei, qualquer rabisco custa a deitar para o lixo!);

4. Guardar os bidimensionais em micas, num dossier e fotografar os mais volumosos para arquivar em suporte digital;

5. Selecionar uns quantos para expôr em casa (bidimensionais e tridimensionais);

Esta tarefa deve ser feita em conjunto com eles, mas se for contraproducente, avancem sem eles. E é isto. Bom trabalho! Divirtam-se!

Espero que estas ideias vos ajudem a ter uma casa mais organizada, mais bonita, mais artística e mais familiar. A nossa, para lá caminha… 😉

Carlota

 

SaveSave

SaveSave

SaveSave

4 Comentários
  • Marta Tex
    Publicado às 20:22h, 29 Setembro Responder

    Parabéns, Cá. Sou fã da tua capacidade de criar. Quem sai aos seus… Não deve ser fácil contrariar a tendência que geralmente temos para a desarrumação, principalmente em alguém da tua idade. Mas tens mostrado que com perseverança tudo se consegue. Parabéns. Gosto muito de ver artigos com coisas feitas por ti. Um beijinho muito grande. Marta

    • Carlota
      Publicado às 21:16h, 29 Setembro Responder

      Obrigada . Vou continuar a fazer esses artigos que tu gostas. Beijinho!

  • joana coelho
    Publicado às 12:12h, 30 Setembro Responder

    Uau… essa miúda tem mesmo jeito para a coisa!

    • Carlota
      Publicado às 22:07h, 30 Setembro Responder

      Joana, e vontade! Por vezes temos que a lembrar da escola e dos estudos… 🙂

Publique um comentário