Como fiz a parede geométrica

Recebemos vários pedidos para explicar como fizemos a nossa “parede geométrica”. Apesar de um primeiro percalço – que já contarei – foi muito mais simples do que pensava… ou pensávamos, que o pessoal aqui de casa duvidou que esta ideia resultasse.
Tudo começou quando comprei uns cortinados lindos com um padrão de cubos. Seriam perfeitos para a nossa sala, não fosse serem demasiado pequenos em largura e demasiado transparentes para o nosso gosto. Devolvemos os cortinados, mas a ideia de ter uma área vertical com um padrão geométrico ficou. Comprar ou mandar fazer papel de parede estava fora de questão pois não tínhamos como fugir ao orçamento apertado, por isso fui para a internet à procura da melhor forma de desenhar diretamente na parede. Depois de muita pesquisa cheguei à conclusão que os marcadores Posca são o que temos de melhor em Portugal para este fim. Experimentei canetas permanentes, cuja tinta sai com álcool, mas com o tempo a tinta tende a ser absorvida pela parede e é um trinta e um para retirar ou pintar por cima. A Posca tem uma tinta acrílica e lavável. Ou seja, se passarmos com um pano seco a tinta não sai, mas com um pano húmido podemos limpar a pintura. Eu achei isso ótimo (caso a coisa desse para o torto). De futuro, só não nos podemos esquecer que aquela parede não pode ser limpa com um pano húmido. Ah! Também convém que se trate de uma parede pintada com uma tinta acetinada lavável. estes marcadores podem comprar-se em lojas de artes ou na Staples. Há imensas cores (até dourado) e espessuras. O que utilizei é o 0.7mm.

Bom, depois de estudar o desenho que queria, cheguei à conclusão que teria que fazer um molde (não ia marcar todas as medidinhas na parede para desenhar lá diretamente, porque o mais certo era enganar-me diversas vezes e dar em louca). Fiz, então, o molde em cartão prensado (para que ficasse bem rígido e sobrevivesse às diversas passagens do lápis) e comecei a traçar o desenho.

 

 

Ora aqui é que eu fiz asneira. Comecei numa ponta da parede até chegar ao outro lado mas, ao fim de umas fileiras, começou a ficar tudo torto e os vértices dos meus cubos cada vez acertavam menos uns com os outros. Ainda tentei compensar (puxando o molde para aqui e para ali) mas, às tantas, era impossível continuar assim. Aaaaaaahhhhh, bolas!
Percebi que tinha que dividir a parede a meio e começar do centro para as laterais, fazendo apenas pequenas compensações, em caso de divergência de linhas.

Toca a apagar tudo (com a esponja mágica, de que já falei aqui)!

 

 

Recomeça.

Tira a medida do centro e com o fio para traçar toca a marcar uma linha vertical.

 

 

A partir daqui já nada voltou a correr mal. Aos poucos, dia após dia, ao final do dia, desenhava mais uns cubos, ainda a lápis, bem levezinho e sem stress, que isto era para fazer com calma e atenção (e não queria que nada mais corresse mal). Primeiro com o molde e depois com um esquadro pequeno para unir vértices. Não vale a pena usar uma grande régua para fazer grandes linhas. Traçar pequenas arestas é o ideal para irmos compensando os tais pequenos desfasamentos.

 

(As imagens a preto e branco foi a melhor maneira que encontrei para se ver bem o lápis)

 

Os desfasamentos que vão aparecendo, mas que não causam problemas de maior pois, quando passarmos a caneta, distorcemos um bocadinho os traços por forma a tudo bater certo:

 

E foi uma alegria, ver o desenho a evoluir bem até concluir toda a parede, a lápis.

Depois, foi só passar por cima com a caneta.

 

(Não se vê bem mas o desenho a lápis está lá, na parede toda, muito suave.)

 

 

E assim foi ficando… tudo certinho!

 

 

No final, apaguei alguns traços de lápis mais visíveis e limpei a linha de giz.
E ficou assim:

 

 

Se deu trabalho? Algum, mas muito menos do que imaginei.
Se demorou? Sim, mas só porque eu fazia muito pouco de cada vez (apenas uns minutos por dia).
Se voltava a fazê-lo? Sem pensar duas vezes!

Bom, espero que a explicação tenha sido clara e que vos ajude a decidir se querem fazer também uma parede assim ou não. Só não se esqueçam: façam o que fizerem, marquem o centro da parede e comecem daí para os lados! É um conselho de quem experimentou não o fazer e se arrependeu.
Esta é o meu orgulho e ficou pelo preço de duas canetas Posca (bem puxadinhas!). Pai e filha deram a mão à palmatória e são testemunhas de que (após aquele primeiro engano) tudo correu sobre rodas.

E é nestas alturas que gosto de envergar uma das minhas t-shirts favoritas. ♥

Dreams don’t work unless you do.

 

 

Carlota

SaveSave

SaveSave

SaveSave

10 Comentários
  • Anabela
    Publicado às 06:52h, 06 Setembro Responder

    Ficou espectacular! Vai daqui uma salva de palmas para esse trabalho todo. Compensou, sem sombra de dúvida. P.S.: já agora,só para dizer que adoro o blog e todos estes diys

    • Carlota
      Publicado às 18:14h, 06 Setembro Responder

      Obrigada, Anabela! Também seguimos o “Aproveitar a Vida”. Vamos falando… 😉

  • Maria Vieira
    Publicado às 01:51h, 08 Setembro Responder

    Ficou espectacular mesmo. Adorei este DIY.

    All We Need Is… | Facebook | Instagram

    • Carlota
      Publicado às 11:00h, 12 Setembro Responder

      Obrigada! Há imensos outros padrões, frases, desenhos que se pode fazer! 😉

  • Sacha
    Publicado às 10:28h, 12 Setembro Responder

    Nunca pensaria numa alternativa assim!
    O resultado final ficou maravilhoso, parabéns!

    • Carlota
      Publicado às 11:01h, 12 Setembro Responder

      Muito obrigada! E uma coisa feita por nós sabe sempre melhor do que comprada.

  • Patrícia Silva
    Publicado às 23:34h, 12 Setembro Responder

    Wow, a parede ficou linda! Adorei. Imagino a trabalheira que foi cobrir a parede toda, fizeste bem em ir fazendo aos poucos, os ossos agradecem 😛 kiss^^

    Patsilvarte : blog | youtube
    Giveaway de 3 anos!

    • Carlota
      Publicado às 08:56h, 13 Setembro Responder

      Foi menos trabalhoso do que parece e o segredo está em ir fazendo sem stress. 😉

  • Cristiana Ribeiro
    Publicado às 11:02h, 13 Setembro Responder

    Adorei. Só é pena que a minha Posca é branca, comprei com a finalidade de desenhar em espelhos, se fosse preta recriava já um parecido ao teu. Ficou lindo.
    Beijinho
    http://cristianalifestyle.blogspot.pt

    • Carlota
      Publicado às 12:00h, 13 Setembro Responder

      Obrigada, Cristiana!

Publique um comentário