Parece um detalhe mas é mais do que isso…
A nossa vida é uma loucura! Os nossos olhos e a nossa mente não páram… milhões de imagens cercam-nos onde quer que estejamos e isso faz-nos perder o foco. Mesmo de férias, as nossas mentes andam a mil. Mesmo em casa, por todo o lado, estamos sempre acompanhados de poluição visual – nos sacos das compras, nas revistas e jornais, na publicidade que vem por correio, nas etiquetas dos produtos que compramos, nos rótulos dos frascos…
É por esta razão que, de vez em quando, temos mesmo que parar. Parar para pensar… e para nos focarmos novamente. Hoje, parei para olhar o meu jardim, para o ver com olhos de ver, para encontrar aquilo que de vez em quando perco. Hoje, encontrei isto, que partilho com vocês.

Estamos na semana 22… como o tempo passa!!
Não tarda estamos a meio do ano.
Começámos este blog em janeiro e cá continuamos… a cumprir o compromisso — pessoal, mas público — de tornar a nossa casa e o atelier locais de serenidade e inspiração.
Por esta altura, temos já noção de que muito do que gostaríamos de fazer ainda este ano, passará para o próximo! É a vida… o tempo “ruge” e estas cabeças andam mais depressa do que o corpo… e também há vida para além das tarefas domésticas…
Mas isso não nos aflige. Sabemos, desde há alguns anos, que com esta casa teremos obras para todo o sempre… e uma vida inteira pela frente para as fazer! Iupiiii!!!  -_- 🙂

Adoro duas palavras em inglês: breathtaking e overwhelming (em português, “de tirar o fôlego” e “esmagador”).
E é só isto que me ocorre quando dou de caras com obras como esta!

 

natureza_2

 

Sempre que os nossos pais, tios e amigos vêm cá a casa, já entram a perguntar:
“Então, o que há de novo?”
“Eh pá, isto está diferente!” – também é costume ouvirmos…
Desta vez foi a mãe do Eme: “Então, há mudanças nesta casa? Quais são as novidades? Ah, ainda não tinha visto isto!…”
Tenho, então, andado a pensar: Será que isto só nos acontece a nós? E será bom ou mau? Devemos ficar contentes por aguçar a curiosidade das nossas visitas ou será isto sinal de alguma maluquice da nossa parte? Será que já acabávamos com estas obras e mudanças?
O problema foi que quando nos mudámos para cá, há cerca de 10 anos, fizémos obras, não assim tão pequenas, mas com um orçamento limitado às nossas possibilidades. Por outro lado, pouco depois surgia a oportunidade única de adquirir também o rés-do-chão (uma segunda casa, mais pequena), onde instalámos o atelier. De lá para cá, a nossa lista de afazeres nunca mais teve fim.
Se tivéssemos um milhão de euros, esta casa já estaria um brinco!
… mas, se calhar, já estaríamos prontos para sair dela e ir para outra. E aqui é que reside a nossa pequena “insanidade mental” – gostamos desta casa porque quase tudo nela tem sido feito com as nossas mãos; gostamos desta casa porque a vemos evoluir, porque nos dá luta, porque nos faz definir objetivos e fazer planos em família; gostamos dela porque temos vindo a ajustá-la às nossas necessidades, assentando-nos que nem uma luva… e porque no dia em que nos deixar de dar que fazer, perderá a graça.

Levantei-me às 7h. Ajudei a Ca a sair para a escola, tranquila, a tempo e horas, com a cara lavada e penteada e sem esquecer nada em casa. Arranjei-me, fiz as camas, estendi roupa e fui trabalhar às 8h30m. Organizei tarefas, preparei trabalho e distribuí pelo pessoal que chegou às 9h. Respondi a e-mails, fiz três ilustrações… bolas, queria tanto ter feito cinco! Apareceram os imponderáveis (aparecem sempre, todos os dias, é incrível!) e lá os enfiei, mais uma vez, na agenda do dia.
Os objetivos para hoje eram ambiciosos, eu sabia… mesmo assim foram estabelecidos e eu queria muito que fossem cumpridos. Não foram. Dei comigo irritada… por não ser capaz de fazer mais? Por não “despachar a coisa”, em vez de querer fazer bem? Por o dia não ter mais horas? Por não ter conseguido acordar mais cedo?… Estava chateada, mesmo! Foi então que, por segundos, pensei “Carlota Joaquina, arruma a tua cabeça, tens duas hipóteses: ou te manténs irritada e com esse mal estar ou ficas grata por tudo o que já conseguiste fazer hoje e por teres mais um dia amanhã”.
Ainda retifiquei e fechei ilustrações, verifiquei os pedidos e enviei para os clientes. A meio da tarde já estava a correr para ir dar duas aulas a pequenas mentes muito exigentes. Às 19h ainda arranjei forças para estudar matemática com a Ca…
Continuei a lutar com as minhas duas vozes interiores e sempre a tentar que o Bem vencesse. A esta hora, continuo a fazê-lo e tento meter na minha cabeça “Foste uma valente! Fizeste tanto! Amanhã será outro dia!”…

Ao arrumar a lavandaria descobri uma dezena de abajures novos e sei que pela casa andarão mais quatro ou cinco velhos…
Quantas vezes nos acontece passar horas e horas a arrumar para chegar ao fim e perceber que o espaço continua cheio e que não caberá nem mais um novo objeto? Quantas vezes arrumamos um espaço que, pouco tempo depois, regressa à desordem inicial?
Pensei, procurei e descobri a resposta, que agora partilho. Para muitos, não será o que gostariam de ouvir, já que implica livrarmo-nos de muitos dos objetos que julgamos que nos são úteis. Todos nós tendemos a guardar roupas, papéis, cremes, eletrodomésticos, enfim, um sem número de objetos que não usamos mas que nos “poderão vir a fazer falta”. O que é certo é que muitos desses objetos muito bem arrumados serão só e tão apenas isso… objetos arrumados. E nós lá vamos, seguindo os dias… com novos objetos a entrar nas nossas casas (vindos de todas as partes – verdade seja dita – do pai, da mãe, dos filhos, dos netos,…) e com as nossas vidas a ficar atulhadas de coisas que não precisamos.