Ando há meses para tratar das nossas plantas em vaso…
De tanto aguardar estão em sofrimento, coitadinhas. E olhem que, para catos e suculentas chegarem ao ponto as que as nossas chegaram, é preciso muita displicência e desleixo!
Ontem, a meio do dia de trabalho, já cansada dos desenhos e do computador, olhei em volta e cheguei à conclusão que faltava vida na minha sala.
Rapidamente, fui à varanda e retirei deste vaso umas suculentas sofridas.

Ora aqui está! Um cabide!
Esta ideia andava a moer-me há demasiado tempo! Há mais de um ano que guardo, na minha sala, madeiras velhas que foram retiradas de uma palete. Aposto que já muita gente que lá entrou se perguntou “mas por que raio tem ela este lixo aqui?”… É outra panca que tenho (para além do campo e da natureza)… madeira velha. Gosto… Gosto da rugosidade, do padrão dos veios, das histórias que guardam.
Outra panca: puxadores. Muitas vezes, os armários trazem puxadores que eu não acho apropriados e eu troco-os por outros mais a meu gosto. Ou então, troco os puxadores de uns móveis para outros, por forma a combinarem melhor com a decoração da divisão. Seja o que for, o que acontece é que fui ficando com uns puxadores a mais.
Por isso, numa tarde em que já não havia mais cabeça para os desenhos, desanuviei, reutilizando estes materiais.
A madeira era muito comprida. Cortei-a, SÓZINHA!, na serra circular. Uhuuu!! Louca!