O resto desta semana vai ser dedicado ao x-ato, uma ferramenta que consideramos imprescindível em todas as casas (e que já colocámos na nossa galeria de favoritos).
Por aqui, temos mais de uma dezena deles! Fomos comprando ao longo dos tempos e, mesmo assim, quando precisamos de um… nunca aparece! É por isso que, agora, temos a gaveta dos x-atos. Aliás, arranjámos duas: uma, na oficina (dos trabalhos maiores e que fazem mais sujidade) e outra, no estúdio (dos trabalhos limpos). Na oficina estão os x-atos de guerra, que usamos para cortar e desbastar as coisas mais incríveis, como massas e madeira, e no estúdio estão os x-atos que usamos para papel, cartão, plástico e os de precisão.

Têm-nos perguntado onde compramos a madeira com que fazemos os nossos projetos, onde arranjamos uma boa tinta para paredes, onde adquirimos as nossas ferramentas e, por isso, resolvemos fazer este artigo – as cinco lojas que mais frequentamos e onde fazemos muitas das nossas compras. Não quer dizer que esta listagem não venha a mudar. É natural que, de hoje para amanhã, descubramos outras que fornecem os mesmo produtos, com a mesma qualidade e a preços mais baratos… mas, para já, são estas.

carlota2
Não é preciso ser-se “totó” para desconhecer a diferença, na prática, entre uma aparafusadora e um berbequim! Basta que nunca se tenha precisado destas ferramentas; basta que se tenha adquirido recentemente a primeira casa; basta que, finalmente, nos tenhamos decidido a poupar algum dinheiro não chamando um “mestre de obras” para nos colocar um quadro; ou basta até que a pessoa que habitualmente fazia isso em casa, já não o faz mais… certo?
É muito comum não existirem estas (e tantas outras) ferramentas nas nossas casas. Nos últimos tempos, fruto da existência deste blog, pudemos perceber quantos e quantos amigos nossos têm em casa pouco mais do que uma chave de fendas, e quantos têm montado móveis apenas com aquelas simples chaves hexagonais em L, e quantos têm quadros encostados a paredes e candeeiros dentro de caixas, à espera que “alguém” os coloque! É por isso que nós, decididos a cumprir a nossa palavra, começámos, então, a partilhar o que sabemos e RESOLVEMOS FAZER UM VÍDEO!
UHUUUUU!!!!
E, como temos que começar por algum lado, resolvemos começar pelo básico… as primeiras duas ferramentas que achamos que devem existir em todas as casas – uma aparafusadora e/ou um berbequim. Que diferenças há entre elas, para que servem e qual escolher na hora de comprar.
Esperamos, com este nosso primeiro vídeo de DICAS, estar a fazer um bom serviço público! Esperamos também provar que “isto da bricolagem” é tudo mais fácil do que parece e que fazer uns furos numa parede não é nada do outro mundo!
(Embora possam acontecer COISAS, que podem!)
Então, coragem, e venham connosco!
(Para ver o vídeo, clique na imagem)

 

Há uns 15 anos, numa passagem de ano em casa de um amigo, conversávamos na sala e preparávamos um fondue, enquanto o óleo aquecia na cozinha. Conversa puxa conversa, nunca mais nos lembrámos do óleo, que aqueceu tanto que incendiou. Quando, da sala, vimos o clarão que saía da cozinha, corremos para lá e já as chamas corriam por debaixo do armário de parede. Aflitos, tentámos resolver o problema como podíamos e só me lembro de alguém dizer “não deitem água, abafem o fogo!”. Assim fizemos, já não me lembro como, mas houve certamente bastantes estragos.

Não, não é brejeirice… é isto mesmo!
Quando o tomateiro atinge cerca de 40cm de altura, aparecem uns pequenos rebentos junto aos ramos que saem do caule. Estes rebentos são chamados de “ladrões” porque roubam nutrientes que deveriam seguir para os frutos. Não pode ser, não podemos deixar que cresçam e retirem a energia à planta. Assim que eles atinjam o tamanho de um dedo, toca a cortar!