Devido à humidade própria da casa de banho é normal que, com o tempo, as juntas entre os azulejos fiquem negras. Depois de muita procura, experiências com produtos e alguma frustração, descobrimos um produto maravilhoso, que não resistimos a divulgar!!! Não, não é patrocínio da marca… é mesmo vontade nossa de partilhar este achado com vocês, malta!

Durante anos habituámo-nos a ver na nossa casa de banho uma lâmpada (feia) pendurada pelo fio (feio), com uma velha (e feia) caixa de junção junto ao teto (e cheia de pó, pois não me atrevia a limpá-la). Até ao dia em que comprámos uma suspensão que, ainda que igualmente minimalista, fica muito mais bonita!…

Nunca tinha pensado nisto, mas faz sentido: para que quartos de banho pequenos pareçam maiores devemos decorá-los num tom apenas.

E aqui fica uma sugestão para reciclagem de frascos de conservas para um quarto de banho em tons cinza, uma versão muito sóbria e cheia de estilo.

Alegria.
Gosto desta palavra… intimamente ligada a “bem-estar”.
Hoje pus-me a pensar no que trará alegria a uma casa. Não me refiro a realização pessoal e profissional, estabilidade financeira, familiar, saúde, etc. Tudo isso é essencial, claro, mas não, pus-me a pensar em que medida é que o ambiente que nos rodeia nos pode fazer esquecer algumas “maleitas” e contribuir para que nos sintamos mais felizes; pus-me a pensar em coisas simples que contribuem para uma casa feliz; e em que medida é que a nossa casa, o seu aspeto, influencia o nosso estado de espírito.

Sabem que mais?
Se há coisa que chateia é ter que lavar trinchas, pincéis e tabuleiros de pintura entre demãos! Mas, se os fecharmos dentro de um saco de plástico ou embrulharmos em película aderente (ou na luva descartável, que utilizámos para a pintura 😀 ), não precisaremos de os lavar porque não secarão. Aguentam horas!

A  dica de hoje é para as senhoras que nos seguem.
Querem colocar umas cortinas novas na sala, um espelho lindo no quarto ou substituir o candeeiro old fashion do escritório, mas já não sabem como pedi-lo ao marido? Precisam de um furo numa parede, mas já contam que vão ouvir reclamações, protestos, “mas para que é que vais pôr isso aí?” ou “agora não posso, faço isso quando puder”… e depois, nunca mais se faz e as coisas ficam para lá guardadas na embalagem?
E conhecem a sensação de ter que justificar o propósito do que queremos fazer, porquê, por que é que não estava bem como estava, etc., etc.,  até que eles se decidam a pegar no berbequim e avançar?
Pois é. É por essas e por outras que resolvi aprender a utilizar as ferramentas cá de casa. Este ano já aprendi muito, no que toca a bricolage e pequenas obras em casa. Ainda não fiz imenso, é certo, mas já vou fazendo qualquer coisa e, melhor do que isso, já me sinto com alguma força anímica para meter mãos à obra sozinha!

As plantas traduzem “vida” e trazem ar puro, energia e alegria ao lar.
Por isso, nas últimas 52 semanas, temos olhado para elas com especial atenção. Comprámos um ou outro vaso novo, suspendemos outros, construímos também, em madeira, recuperámos alguns cachepots mais velhos, que estavam prontos a ir para o lixo e divertimo-nos com alguns DIY simples…
Neste percurso, nem tudo foram rosas… – que, por acaso nem as houve – mas, do local onde escrevo este artigo, posso olhar para algumas das nossas verdes meninas e estas dão-me a serenidade e inspiração que temos vindo a procurar para a nossa casa. 😉
Aqui fica mais uma coisinha que descobrimos…