Para a sala da nossa amiga recuperámos uma estante cujo próximo destino seria o lixo. Quando a vi, reparei que estava em mau estado, que já teria vindo de outro local, onde teria tido uma função muito específica. Vim a saber que veio de um sótão e fez parte de uma biblioteca pessoal (por isso aquele acabamento estranho, em bico).
Mesmo velhota, com rachas, cortes estranhos e muitos pregos, gostei logo dela! Gostei da madeira, da cor, da estrutura e da forma de encaixe peculiar das prateleiras. Achei que devíamos tentar recuperá-la pois ficaria muito bem na nova sala da Helena. Estantes estreitas são perfeitas para livros (e salas pequenas).

É muito usual ver cabos de carregadores neste estado, a desfazer-se junto ao terminal. Nós temos um assim.
No outro dia dei com ele com esta solução: uma palha a envolver a área fragilizada. Foi a Cá que descobriu, algures na internet.
É só cortar uma palhinha no comprimento, fazer outro corte longitudinal e encaixar no cabo.
Neste caso, como estava um pouco larga, a Cá colocou duas e a de dentro ficou um pouco mais apertada. Também se pode apertar a palhinha e colocar um pouco de fita-cola (ou uma washi tape toda giraça). Se não quisermos mesmo que saia do lugar, também se pode aquecer com um secador de cabelo até derreter um pouco e aderir ao cabo, mas nós não fomos tão longe…

Junho foi um mês e tanto, para nós… muito cansativo. E recordo que todos os anos é assim.
Ajudem-me, é geral ou coisa nossa?
Felizmente, podemos agarrar-nos a despertares tranquilos para começar o dia com boa disposição e energia e, por isso, não queria deixar de vos dar os bons dias (e inspirar) com uma das minhas bebidas favoritas: tisana de lúcia-lima.