Têm-nos perguntado onde compramos a madeira com que fazemos os nossos projetos, onde arranjamos uma boa tinta para paredes, onde adquirimos as nossas ferramentas e, por isso, resolvemos fazer este artigo – as cinco lojas que mais frequentamos e onde fazemos muitas das nossas compras. Não quer dizer que esta listagem não venha a mudar. É natural que, de hoje para amanhã, descubramos outras que fornecem os mesmo produtos, com a mesma qualidade e a preços mais baratos… mas, para já, são estas.

Pois é… o Dia das Bruxas está quase aí. Ainda me lembro, quando era pequena, no Minho, ouvir cantar à porta da casa da minha avó “Bolinhos e bolinhós”. Se abríssemos a porta, corria tudo muito bem… se não, ui!, era um chorrilho de asneirada e achincalhamento como só no norte sabem fazer!
Independentemente da cantoria, havia sempre muitas partidas, que os vizinhos faziam uns aos outros. Lembro-me de ir à missa, no dia seguinte, e encontrar os vasos do vizinho na varanda de outro… e lembro-me das risotas de quem “não fui eu”.

Estou na fase mais difícil do destralhanço. Aquela em que temos que dizer adeus às coisas das quais gostamos, mas para as quais já nem olhamos. Não vale a pena manter uma coisa aprisionada connosco se não é utilizada ou valorizada, certo?
Hoje disse adeus à minha impressora de tantos anos. Adorava-a, mas já usava muito pouco, cada vez menos… e impressora sem uso é para se estragar na certa. Vendi-a. Lá foi… (snif)

Este ano achámos que estava na hora da nossa pequena crescer mais um bocadinho e tornar-se mais responsável. Que isto de andar sempre a definir os seus momentos de estudo, estar sempre a dizer “Tens que estudar”, perguntar todos os dias “Não tens trabalhos para fazer?”, lembrar “Hoje temos que estudar para o teste não-sei-de-quê” e ter que fixar o seu calendário de testes e trabalhos… não faz mais sentido. Cansa-nos muito, faz-nos sentir chatos e retira-lhe muita da responsabilidade que ela tem que se habituar a ter. Mesmo connosco sempre atrás, houve trabalhos que não fez, livros que ficaram em casa quando deviam ter ido para a aula e livros que ficaram na escola quando deviam ter vindo para casa para estudar… em relação ao estudo, nada acontecia se não fôssemos nós a mandar… e nunca queria tirar dúvidas com os professores.