Ainda no verão e com um fim-de-semana destes, cheio de sol e calor, até é estranho falar em dias frios, mas nada como aproveitar este tempo para preparar as mantinhas de inverno.
Comprei-lhes um miminho e tudo…
Agora estão fofas, limpinhas e cheirosas para o que der e vier!

Já por aqui se disse várias vezes que nunca nada é tão rápido quanto desejamos… e a secretária da Ca (com armário e prateleiras) ainda é um work in progress.
O armário já está forrado a contraplacado (envernizado) e a primeira prateleira ao serviço. Não está ainda terminado, pois faltam as outras prateleiras entre o móvel e a parede… mas já parece outro, não?

Felizmente que este ano decidimos tratar logo de todos os materiais, trabalhos, livros, testes, papeladas e cadernos que a Ca trouxe do 6.º ano. Se tivéssemos que o fazer agora, era mais uma tarefa para nos atrapalhar e que iríamos fazer “às três pancadas”!
Setembro é sempre um mês um pouco louco por aqui… Nesta altura, lembro-me sempre do Coelhinho Branco da Alice, a correr que nem um louco e a sentir que o tempo lhe foge constantemente. Nem acredito que, não tarda, temos o Natal à porta e mais um ano a terminar… e não, não fiz tudo o que gostaria e que imaginei fazer no início deste ano… bolas! (Mas, sobre isto, conversaremos mais tarde!)

E é sempre bom voltar ao lar…
As nossas férias deste ano implicaram uma grande viagem de carro, muitos quilómetros percorridos, muitas terras visitadas, vários quartos de hotel e apartamentos. Parte deste tempo fomos 12 à mesa, 12 para sair de casa, 12 para enfiar em dois carros e 12 a passear! Em família, acompanhámos o homem da casa na sua grande aventura de participação no UTMB – Ultra Trail do Monte Branco, 170 kms em menos de 45 horas, entre França, Suíça e Itália. Foi muito divertido e muito bom!
Agora, há por aqui um sentimento agridoce… por um lado, a sensação amarga do final de férias (com os dias passados em família e menos preocupações e responsabilidades para gerir), por outro, a sensação doce do regresso às nossas rotinas (e à segurança daquilo que já tão bem conhecemos) com novas ideias, novos planos e objetivos traçados.
Só que, não sei porquê, este ano não me sinto cheia de ideias e de “ganas” para trabalhar nelas, como é costume…
Sim, regressámos com vontade de recomeçar e de trabalhar nos novos planos, mas, quanto a mim, ainda me ficou a faltar o dolce far niente que tanto aprecio, que é para mim muito estimulante e que, acreditem!, energiza a minha criatividade. Acho que não vou poder render-me já à ideia de que o descanso ficou para trás… vou tentar, ainda, aproveitar os finais de dia e os fins-de-semana. A minha cabeça está às voltas com “tanta informação” e a precisar de ser arrumada. Os meus recomeços não podem ser atabalhoados, têm que ser mais tranquilos.
Somos todos diferentes, o Eme não tem esta necessidade… eu tenho. E sei que há por aí muita gente como eu.
Por isso, vamos fazer esta transição com tranquilidade, sem ansiedades e a aproveitar a luz dos dias.