Organizar os recipientes dos alimentos

É óbvio para todos que vivemos num mundo consumista e que é demasiado fácil encher as nossas vidas de “coisas”. Nesta empreitada de tornar a casa um local de serenidade, muitas das nossas tralhas vão ter que sair e poucas novas entrarão. É um compromisso que temos que assumir…

Se há coisa que é muito fácil virar caos e não nos dar nem um pingo de tranquilidade, é o armário dos recipientes de cozinha. Embalagens de vários formatos, marcas e materiais e respetivas tampas (ou falta delas) têm tendência a acumular-se indiscriminadamente até cairem ao abrirmos a porta. Se, ainda por cima, tivermos visitas bem intencionadas e prontas a ajudar na arrumação da loiça, mas que não entendem o “esquema” de arrumação… Então, vai ficar tudo de qualquer maneira e não ao nosso modo. Para facilitar a tarefa, a regra cá de casa é “não tem nada que saber, basta arrumar por famílias”.

A regra é clara e basta abrir a porta do armário para ficar a percebê-la. O resultado tem sido ótimo!

Quem somos nós para dar conselhos?… Mas, mediante os resultados, julgo que podemos partilhar o segredo do nosso sucesso. Eis a fórmula:

  1. Tirar todos os recipientes do armário;
  2. Perceber ou definir muito bem a área de arrumação disponível – Um armário? Uma prateleira? Duas?
  3. Selecionar apenas os melhores recipientes, os que têm “família”;
  4. Deitar para o lixo ou doar todos os que perderam a tampa, estão encardidos, partidos, raramente usamos ou nunca usámos, bem como os “filhos únicos”. (Acreditem, ainda ficam muitos para usar!)
  5. Garantir que apenas ficamos com a quantidade de que necessitamos e que caberão com facilidade na área disponível;
  6. Organizar as famílias, colocando os recipientes dentro uns dos outros; colocar as respetivas tampas por baixo de cada família ou em organizadores de tampas.  (É sempre preferível a tampa ficar junto do recipiente pois, quem não os conhece como nós, terá dificuldade em estabelecer a relação entre um e outro, quando precisar de retirar do armário);
  7. Utilizar um recipiente dos que iria sair (apenas um!) para guardar os objetos mais pequenos (passadores, formas,…);
  8. Se o armário for fundo, pode-se colocar uns mais atrás e outros á frente, mas nada de exageros senão o trabalho de ir atrás torna-se demasiado penoso;
  9. 4 meses depois, se não chegámos a ir buscar os de trás, é porque não são necessários. Não fomos implacáveis no destralhe! Doar mais esses 😉

 

recipientes_1

 

E pronto! Está feito!

Também têm assim? Também têm a vossa regra? É diferente da nossa? Qual é?

Carlota

 

2 Comentários
  • Organizada e Saudável
    Publicado às 10:28h, 25 Julho Responder

    Bom dia !
    Fui vendedora da Tupperware durante algum tempo, confesso que tive mais olhos q barriga e juntei um número incrivel de tralhas de tal maneira que um dia resolvi que era demais e não precisava de tanta coisa. Fui a uma loja de segunda mão e vendi, vendi, vendi os donos da loja só diziam traga mais que isto vende-se bem, ainda tenho muita coisa e já pensei em fazer uma nova escolha, Alguns praticamente nunca foram usados e foi por juntar “alguns” Tupperware das promoções que enviavam e ás vezes não se vendiam que eu desisti, a minha casa estava-se a tornar num mini armazém e tudo o que é demais enjoa-me e vai daí que : há que tomar medidas, tenho a dizer que fiz um rico dinheirito e que me fez cá um jeitinho 😉 este post deu-me cá mais umas ideias para um futuro próximo.
    Beijinhos e Bom Dia !
    https://organizadaesaudavel.blogspot.pt/

    • Carlota
      Publicado às 14:17h, 25 Julho Responder

      Boa! Que fantástico! Infelizmente, para vender não tinha nada, mas essa ideia é excelente! Se ainda tem, e se a inspirámos, é continuar!!!! Beijinhos e boas vendas 😉

Publique um comentário