JARDINAGEM • Parte 1

E eis que chegou o dia da jardinagem!

aqui tinha mencionado o facto de andar há meses a tentar arranjar tempo para dedicar às plantas cá de casa… pobrezinhas, já em verdadeiro sofrimento!
O problema é que temos relva, arbustos, canteiros, horta (ou uma espécie de horta), vasos de exterior e interior e eu pensei que, com o que choveu o inverno passado, tudo estivesse bem entregue nas mãos de S. Pedro. Enganei-me! Por diversos motivos, nem sempre a água da chuva consegue penetrar na terra
Quanto às plantas de interior, sem problemas. Com o tempo aprendi quais são as ideais cá para casa, quais é que gostam da manutenção que nós conseguimos dar e, estas, estão ótimas!
Todas as outras… ui!
Aqui há tempos, em conversa com uma amiga nossa — a Cláudia, engenheira agrónoma—, ficámos de combinar um dia para ela nos ajudar com esta tarefa, de dar uma volta a estes seres vivos que habitam connosco. A Cláudia já trabalhou num horto muito conhecido, mas agora trabalha por conta própria. Faz uma coisa que eu não sabia que existia (para além de serviço ao domicílio): acompanhamento de serviços de jardinagem… é uma espécie de consultora de jardinagem… garden coach, se preferirem… e quem a conhece, adora-a!!!
Pois esse dia, em que ela viria ajudar-nos, foi ontem, para nos distrairmos todos da ansiedade da jogatana entre Portugal e a França.
Bom, claro que um dia não chegou para todas as nossas necessidades… mas adiantámos imenso!
Desta vez, dedicámo-nos à horta (agora sim, já lhe posso chamar esse nome!) e vou partilhar algumas dicas que ela me deu 😉 (com o seu consentimento).

Este é o espaço que eu criei o ano passado para fazer um pequena horta sem ter que andar a escavar a terra. A terra do nosso jardim é uma “rocha barrenta”!!! Houve um ano que ainda me dei ao trabalho de cavar que nem uma louca… mas descobri que isso não é para mim… chega! Há limites!… Então, arranjei esta solução, que considero ser a ideal (fora o facto de estar agora com este ar abandonado):

 

horta_1

 

Com apenas quatro toros que comprei no Aki e uns sacos de terra, resolvi a situação! É bonito (embora, nesta fotografia, não esteja) e dá um ar organizado ao jardim… e nunca mais precisei de músculo para cavar a terra!
O problema das hortas nos jardins é o ar desorganizado e “pouco fashion” com que muitas vezes ficam, mas, esta solução, gosto!
Pois, ontem, apenas tivémos que revolver a terra velha e colocar nova, com um pouco de estrume de cavalo. A nova caminha dos vegetais comprados no mercado estava feita!

Um aparte interessante…
DICA
Eu pensava que a terra do horto é que era boa e todas as outras, vendidas nas grandes superfícies, eram piores. A Cláudia explicou que não, os fornecedores dos compostos são os mesmos. O mesmo acontece com as plantas, a diferença é que as plantas, no horto, enquanto não as trazemos para casa, são mais bem tratadas do que nas grandes superfícies. Ainda assim, acabámos por ir ao horto, porque nos íamos focar mais no que queríamos, porque é terapêutico, porque é um ritual que adoramos e porque eu acho que devemos comprar cada coisa na sua loja de referência. Já compramos tanta coisa nas grandes superfícies…

Depois de cuidada, a micro-horta ficou assim:

 

horta_3

 

Aqui, para além das couves, que fazemos questão de ter sempre (pela pouquíssima manutenção que necessitam, pelos meses que duram e belas sopas que dão) plantámos tomate, alface, alho francês e morangos.

 

horta_4

 

Deixo-vos mais uma DICA:
A alface e o alho francês são bons vizinhos e devem ser plantados perto um do outro, pois o alho francês repele uma bichage que ataca as alfaces, os afídeos (piolho).

A minha ideia, agora, passado um ano deste teste, é fazer outro canteiro igual ao lado e colocar brita ou outra coisa em volta, para nivelar o chão, podermos pisar e evitar o crescimento das ervas.
Ainda levantámos as fisális, com uma estrutura simples feita com alguns tutores, abraçadeiras e ráfia e fizémos uma bacia de terra para manter as plantas bem regadas.

 

horta_5

 

Por fim, fomos tratar do canteiro das aromáticas.
Limpámos a terra de ervas daninhas e revolvemos; juntámos mais terra (composto) e um pouco de estrume de cavalo (mesmo pouco, porque, nesta altura, pode ser demasiado forte). Plantámos mais umas aromáticas novas, os legumes que sobraram da horta e ficámos a admirar a obra… 😉

 

aromaticas_2

aromaticas_3

 

Hoje, vou espalhar pratinhos com cerveja para arrasar com as lesmas que tentarão comer as alfaces!
Por acaso, ontem à noite devem ter ido ver o jogo e depois foram para o Marquês… mas, hoje, já não lhes posso dar hipóteses!!

DICA
Solução biológica contra o caracol e a lesma: colocar um pouco de cerveja num pratinho ao nível do solo. A cerveja atrai estes danadinhos, que caem lá dentro e se afogam.
Outra solução, é colocar à volta das plantas cinza de lareira  ou casca de ovo, pois provocam-lhes irritação e desidratação.

Por hoje, é tudo!
Ainda há muito por fazer e mais dicas para partilhar, mas vamos lá com calma!

Carl♣ta

 

 

1Comentário
  • Emilia Nazareth
    Publicado às 22:38h, 11 Julho Responder

    Ficou tão lindo! Parabéns às jardineiras! Bj

Publique um comentário