Este cachepot já pertenceu à mãe do Eme, veio cá para casa há uns anos e já abraçou muitos vasos com plantas diferentes. No outro dia, olhei para ele com aquele olhar de quem lhe vai dar um destino final. Achei que já tinha tido o seu papel nesta casa, estava velho e estragado – a base a soltar-se, o alumínio muito amassado…

Às vezes desejava que saísse das minhas mãos a simplicidade das linhas que saem das mãos das crianças… a pureza do traço, antes ainda de criarem a dependência da borracha. Infelizmente, à medida que vamos crescendo, a mão é treinada, a linha estudada e a inocência perde-se. Exprimir desejos, sentimentos e refletir o mundo de cada um, nunca mais é feito da maneira que fazemos enquanto somos crianças… e isso tem mexido com a alma de muitos e muitos artistas artistas (estou a lembrar-me de Miró e do seu esforço ao longo da vida no sentido da simplificação do traço).
É por isso que me encantam os trabalhos dos meus pequenos aprendizes das Artes e é por isso que, na nossa casa, a arte da Ca mistura-se com a minha e com a de outros artistas dos quais gostamos. Desde sempre emoldurámos os desenhos, pinturas e pequenas esculturas que a Ca está constantemente a fazer e desde sempre ela viu o seu trabalho valorizado. No quarto, tem uma parede a que chamamos de “galeria”. Lá, expõe as suas obras favoritas e está sempre a ser atualizada a seu gosto.
Desta vez, resolvemos ir um pouco mais longe e juntar as nossas duas expressões. Começámos por selecionar dois desenhos de quando era bem pequena, duas obras com muito significado para nós – a mãe, o pai e ela. Digitalizei-os em alta resolução, com uma grande ampliação, pintei-os ao meu modo e eis o que saiu:

Um dia, em casa da minha avó, resolvemos remexer a sua gaveta de naperons e, como já não os utilizava, a Mimila ofereceu-me alguns, na certeza de que eu faria bom uso deles. Na realidade, lembrei-me de que podiam ser aplicados em fronhas de almofada, tornando a minha avó sempre presente cá em casa. A minha mãe ofereceu-se para as fazer (já que o meu jeito para esta tarefa deixa muito a desejar…) e saíram lindas, lindas!

Um destes dias, embora não tenha partilhado aqui, resolvi atirar-me ao closet (existe em português uma palavra para isto, que não roupeiro?). Desta tarefa saiu roupa para lavar, roupa para dar e roupa/acessórios para deitar fora. Cheguei à conclusão que partilhar o espaço da roupa de vestir com a roupa de cama e wc não me agrada. Conclusão:
EME, PRECISAMOS DE UM ARMÁRIO PARA A ROUPA DE CASAaaa!!!
Procurámos o armário ideal, procurámos e procurámos… embora o ikea tenha sempre o que precisamos a bom preço (é incrível!), não queria mais uma solução Ikea ou semelhante… Procurámos, então, algumas lojas de móveis antigos… e nada!
Tinha visto um num armazém de móveis vintage, do qual gostei muito, mas, além do armazém ter fechado, desconfio que ainda não seria o ideal.
Foi então que o Eme, sugeriu: “Desenha, que eu faço!”
“Não digas isso duas vezes…”
E não é que disse mesmo?
Desenhei o dito e já “começámos” a construí-lo!!!
Se ficar bem, partilho os planos, querem?