A pergunta impõe-se: que quantidade louca de madeira era aquela que apareceu no Instagram e no Facebook? Há projeto novo no 52? O que andam aqueles – nós, portanto – a fazer agora?
Comecemos pela mais nova: entre o estudo e as aulas de dança, continua a criar coisas (que nós achamos) incríveis. Nem imaginam o que esta miúda faz, sossegada no seu canto, para além de gerar caos. Em breve, tentarei arranjar um bocadinho para partilhar aqui.
Eu, estou com um novo projeto de ilustração em mãos, uma exposição de ilustração em Almeirim e um grande e novo desafio nos braços… esse, para o qual vamos precisar de toda aquela madeira.
O Marcelo, tem estado a acompanhar uma obra de remodelação de um fraldário no norte, trabalhado nos seus projetos multimedia e, tal como eu, tem estado a braços com este novo projeto, que nos está a entusiasmar muitíssimo.

Ora cá está o primeiro grande projeto de 2008!… ou melhor, 1/4 dele. Ou isso: um quarto. Depois de termos decidido trocar de quartos, pais e filha meteram mãos à obra no fim-de-semana do Carnaval e revolveram metade da casa. Sim, porque trocar de quartos é, na prática, trocar quatro divisões – dois quartos e dois closets. Móveis, roupas, livros, brinquedos,… tudo foi retirado do sítio, analisado (destralhado), reorganizado e tornado a arrumar. Inicialmente, o pai não estava muito a favor desta mudança nesta altura, e só foi possível convencê-lo garantindo que não seria preciso fazer pinturas agora (talvez lá mais para o verão…). Abdicámos desta tarefa e lá conseguimos arrastar o homem… a refilar um bocadinho mas, ainda assim, a fazer-nos a vontadinha! 😉

… e com o móvel mais ideal pra ali, que poderia haver!
Quando remodelámos o hall – que fica entre a cozinha, o escritório, a sala e o quarto de banho (espaço difícil, este, com quatro portas!) – fiquei sempre com a sensação que o projeto não tinha ficado concluído. Duas das paredes estavam lindas, enquadradas, mas sempre que saía do quarto de banho dava de caras com uma parede vazia e sem graça. Sempre foi uma perspetiva deste espaço muito aquém das outras.

Pois é, esta casa tem tantas melhorias para fazer que o orçamento por divisão é limitadíssimo. As obras vão sendo feitas na medida das possibilidades, mês a mês. A última remodelação, um pequeno hall entre a sala, a cozinha e o escritório, coincidiu com setembro, um mês de muitas despesas – o regresso às aulas, a compra de material escolar, a inscrição em atividades,… – por isso, não havia grande margem para compras. Investimos na tinta para as paredes e teto e tudo o resto já tínhamos ou foi feito por nós. Foi o que aconteceu com o abajur vermelho que existia antes neste espaço mas que, agora, não se adequa ao estilo pretendido. Precisávamos de uma nova solução. Ainda namorámos uns quantos candeeiros… a preços variados… mas, depois de fazer contas, desistimos e resolvemos reciclar o tal abajur vermelho. E foi o melhor que fizemos pois, assim, mantivemos o estilo já criado para a sala.