E aqui está ela, a nossa nova bancada móvel! Se tudo correr conforme previsto, ou seja, bem, daqui para a frente aparecerá muitas vezes nos nossos vídeos e fotografias.
Com rodízios de um lado para a deslocarmos mais facilmente e pés fixos do outro para lhe dar mais estabilidade e servirem como travão, vai da oficina para a rua com a maior das facilidades. Os rodízios são uns “todo o terreno” que nos serviram para outro trabalho e que agora reaproveitámos, já que neste empedrado montanhoso que rodeia a nossa casa — a Cordilheira Cinquenta e Dois — só com uns rodízios assim!
Tem ainda uma prateleira inferior e uma extensão com dez tomadas e interruptor.
Vamos ver que maravilhas faremos nós com ela, agora! Pelo menos não haverá apelos e chamamentos para ajudar a transportar a mesa daqui para ali e dali para aqui. 😉

Este artigo demorou algum tempo a preparar, mas está PRONTÍSSIMO a ser partilhado.
No dia 1 de janeiro resolvemos pegar na máquina fotográfica, papel e caneta e fazer uma “listinha” de tudo o que precisa de ser arranjado/melhorado nesta casa. O Luke acompanhou a incursão, deitando-se em todas as camas e rebolando em todos os tapetes que encontrou…
Se há coisa que aprendemos o ano passado foi que, com um plano, é possível estarmos os três mais focados e em sintonia.
Este é o segundo desafio que impomos a nós mesmos – 52 tarefas para realizar este ano!
Este sim, vai ser duro!

Aproveitando o facto de uma das nossas lâmpadas fluorescentes se ter fundido, resolvemos fazer a troca, mas não por outra igual, por uma lâmpada LED. Não sabíamos bem como fazê-lo, mas depois de alguma pesquisa, fez-se luz!
Vamos partilhar o que aprendemos por forma a poupar algum tempo e neurónios a pretensos “eletricistas”, como nós.

O quarto da Ca é daquelas divisões que nunca terminamos…
A remodelação, decoração e organização deste espaço da casa tem acabado sempre com pequenas soluções de recurso, o que nos impede de encarar esta obra como terminada. Isso deve-se, não só, mas também ao facto de cada fase etária suscitar soluções de decoração, e utilização do espaço, diferentes. Ainda por cima é uma área grande, que inclui diversos espaços – para dormir, para estudar, para vestir, para brincar e de arrumação,…
Foi por isso que, quando a Ca nos falou que gostava de forrar uma parede de cortiça para colocar os seus desenhos e fotografias, a nossa primeira preocupação foi descobrir como poderíamos fazer isso sem que fosse definitivo. Como poderíamos fazer aderir a cortiça à parede sem dar cabo dela? Nem cola, nem fita biadesiva podiam ser consideradas, mas encontrámos outra solução: a cortiça foi colada a placas de pvc de 3mm (com fita de alcatifa), que depois aparafusámos (sim, aparafusámos) à parede.