Nos últimos dias divertimo-nos muito a fazer umas letras para o quarto da Cá, para lhe conferir o espírito Bohemian Chic que ela pretende.
Felizmente que as amigas reduziram o nome dela a duas letras, caso contrário tinha sido um bico de obra… ou, se calhar, fazíamos apenas LOVE, SOL, SUN, um coração ou qualquer outro elemento mais simples.

O quarto da Ca é daquelas divisões que nunca terminamos…
A remodelação, decoração e organização deste espaço da casa tem acabado sempre com pequenas soluções de recurso, o que nos impede de encarar esta obra como terminada. Isso deve-se, não só, mas também ao facto de cada fase etária suscitar soluções de decoração, e utilização do espaço, diferentes. Ainda por cima é uma área grande, que inclui diversos espaços – para dormir, para estudar, para vestir, para brincar e de arrumação,…
Foi por isso que, quando a Ca nos falou que gostava de forrar uma parede de cortiça para colocar os seus desenhos e fotografias, a nossa primeira preocupação foi descobrir como poderíamos fazer isso sem que fosse definitivo. Como poderíamos fazer aderir a cortiça à parede sem dar cabo dela? Nem cola, nem fita biadesiva podiam ser consideradas, mas encontrámos outra solução: a cortiça foi colada a placas de pvc de 3mm (com fita de alcatifa), que depois aparafusámos (sim, aparafusámos) à parede.

Têm-nos perguntado onde compramos a madeira com que fazemos os nossos projetos, onde arranjamos uma boa tinta para paredes, onde adquirimos as nossas ferramentas e, por isso, resolvemos fazer este artigo – as cinco lojas que mais frequentamos e onde fazemos muitas das nossas compras. Não quer dizer que esta listagem não venha a mudar. É natural que, de hoje para amanhã, descubramos outras que fornecem os mesmo produtos, com a mesma qualidade e a preços mais baratos… mas, para já, são estas.

Desta é que foi! O Eme esmerou-se, fez uma casa feliz e são muitas as mensagens de parabéns que temos recebido através do Facebook e do Instagram. Obrigada — mesmo! — a todos os que nos acompanham e vibram com os nossos feitos!
Na realidade, muito do que fazemos, fazemo-lo por nós, pelos nossos amigos, mas sobretudo por vocês, que nos acompanham por aqui, a quem queremos mostrar que nada na bricolagem é um bicho de sete cabeças.

carlota2
Não é preciso ser-se “totó” para desconhecer a diferença, na prática, entre uma aparafusadora e um berbequim! Basta que nunca se tenha precisado destas ferramentas; basta que se tenha adquirido recentemente a primeira casa; basta que, finalmente, nos tenhamos decidido a poupar algum dinheiro não chamando um “mestre de obras” para nos colocar um quadro; ou basta até que a pessoa que habitualmente fazia isso em casa, já não o faz mais… certo?
É muito comum não existirem estas (e tantas outras) ferramentas nas nossas casas. Nos últimos tempos, fruto da existência deste blog, pudemos perceber quantos e quantos amigos nossos têm em casa pouco mais do que uma chave de fendas, e quantos têm montado móveis apenas com aquelas simples chaves hexagonais em L, e quantos têm quadros encostados a paredes e candeeiros dentro de caixas, à espera que “alguém” os coloque! É por isso que nós, decididos a cumprir a nossa palavra, começámos, então, a partilhar o que sabemos e RESOLVEMOS FAZER UM VÍDEO!
UHUUUUU!!!!
E, como temos que começar por algum lado, resolvemos começar pelo básico… as primeiras duas ferramentas que achamos que devem existir em todas as casas – uma aparafusadora e/ou um berbequim. Que diferenças há entre elas, para que servem e qual escolher na hora de comprar.
Esperamos, com este nosso primeiro vídeo de DICAS, estar a fazer um bom serviço público! Esperamos também provar que “isto da bricolagem” é tudo mais fácil do que parece e que fazer uns furos numa parede não é nada do outro mundo!
(Embora possam acontecer COISAS, que podem!)
Então, coragem, e venham connosco!
(Para ver o vídeo, clique na imagem)

 

… É o que me ocorre dizer depois de ver a nossa mais recente “obra”.
A ideia foi terminar o canto de estudo da Ca sem gastar muito, aproveitando os restos de contraplacado que havia cá por casa (que este mês já estamos para lá de fartos de gastos! Mês duro este, não? Inscrições nisto e naquilo, mais livros de leitura obrigatória, gramáticas e dicionários de línguas pedidos já depois das aulas começarem… nunca mais acaba…).
Foi uma ginástica e tanto! Não estou a falar financeiramente (que essa também), mas conseguir fazer prateleiras jeitosas com os restos de madeira que tínhamos.
Mas — como é que se diz? — a necessidade aguça o engenho, não é?
E pronto! Nada como umas prateleiras em z para conferir mais graça ao canto, apoiar os livros à esquerda e à direita e solucionar o problema de conseguir chegar de um lado ao outro com placas pequenas.

Felizmente que este ano decidimos tratar logo de todos os materiais, trabalhos, livros, testes, papeladas e cadernos que a Ca trouxe do 6.º ano. Se tivéssemos que o fazer agora, era mais uma tarefa para nos atrapalhar e que iríamos fazer “às três pancadas”!
Setembro é sempre um mês um pouco louco por aqui… Nesta altura, lembro-me sempre do Coelhinho Branco da Alice, a correr que nem um louco e a sentir que o tempo lhe foge constantemente. Nem acredito que, não tarda, temos o Natal à porta e mais um ano a terminar… e não, não fiz tudo o que gostaria e que imaginei fazer no início deste ano… bolas! (Mas, sobre isto, conversaremos mais tarde!)

Foi dito que todos os dias partilharíamos novidades do novo projeto – o beliche da Mia e do Lucas – mas, na realidade, foi impossível cumprir a promessa. Houve dias em que, apesar do trabalho, a evolução não era visível… outros houve em que tivemos que nos dedicar às últimas entregas de projetos do atelier antes de entrarmos de férias… e ainda outros em que choveu e não deu para tirar fotografias.
Uma coisa é certa, o trabalho continua, já vamos nos 2.º andar e cada vez mais se percebe do que se trata.