Um dia pegamos em mais uma caixa de papelada para destralhar e eis o que se descobre: fotografias de uma das nossas primeiras casas, que resolvemos “arranjar” com as nossas próprias mãos. Destralhar tem destas coisas… e, para verem que esta mania de nos armarmos em jeitosos não é mania recente, aqui está a prova.
Aos 21 anos alugámos, com mais duas colegas da faculdade, um apartamento em Alcântara a cair de velho (mas lindo!), negociando uma renda mais baixa em troca das obras (feitas por nós).

Pois é… há algumas semanas que não partilhávamos o nosso “destralhanço”.
Praticamente a chegar a meio do ano, confesso que está cada vez mais difícil fazê-lo diariamente… mas lá continuamos, “firmes e hirtos que nem uma barra de ferro”!
Nem todos os dias tomámos uma decisão, mas houve uns em que o fizémos a dobrar, a triplicar… e até a decuplicar… e mais! Deu para todos os dias das últimas semanas.