Por esta altura os campos estão fabulosos, todos coloridos! Sim, as flores são lindas no campo… mas também são em nossa casa, dando-lhe um ar cuidado, fresco e natural. Estas, silvestres, trazem-nos tranquilidade e conectam-nos à terra. Ainda por cima, estão propagadas por todo o lado, são fáceis de apanhar e não custam dinheiro.
E disse-me um jardineiro que, se colocarmos na jarra umas gotinhas de fertilizante com potássio (biológico, digo eu), elas duram mais tempo.

Uma vez, na Alemanha, vi uns abajures numa montra tão lindos, que nem consigo descrever!!! Feitos com vários tecidos e aplicações e de vários formatos, muito alegres e kitsch!
Um dia, para o quarto da Ca, inspirada nesses, fiz este! É diferente dos que vi na Alemanha, mas gosto muito dele! É feminino, colorido, alegre… e ficou muito baratinho pois trata-se de colar aplicações (botões e fitas, que tinha cá por casa) num desses abajures de papel que se compram em qualquer lado.

Durante o destralhe e as arrumações da oficina, descobrimos este espelho que veio “oferecido” com um móvel de casa de banho. Nunca o utilizámos, pois achámos que não se adaptava…
Foi então que, olhando bem para ele, achei que podia dar-lhe outra hipótese… com uma reciclagem e uma volta valente, mais à nossa imagem.
Tirei-lhe as medidas;
Desenhei um molde em computador;
Levei-o ao vidraceiro e pedi que o cortassem segundo o molde;
Coloquei-lhe uma corrente;
E pendurei-o!

Lindas, não são?
E não gastei um tostão com elas!
Andar de carro em estradas secundárias tem esta vantagem… pára-se para tomar um café e dá-se de caras com a natureza!
Sim, tenho esta mania de apanhar “coisas” durante passeios, caminhadas ou viagens de carro. Já cheguei a parar de propósito por “ervas daninhas”…

Ontem foi Dia da Mãe ♥.
Nas redes sociais foram revelados os milhões de postais, desenhos, poemas e mensagens que os filhos ofereceram às suas mães.
Pois, ainda na sequência do post de há uns dias, aqui está uma forma de valorizar os miminhos que as nossas crianças criam com empenho e nos entregam com carinho!

Este cachepot já pertenceu à mãe do Eme, veio cá para casa há uns anos e já abraçou muitos vasos com plantas diferentes. No outro dia, olhei para ele com aquele olhar de quem lhe vai dar um destino final. Achei que já tinha tido o seu papel nesta casa, estava velho e estragado – a base a soltar-se, o alumínio muito amassado…

Às vezes desejava que saísse das minhas mãos a simplicidade das linhas que saem das mãos das crianças… a pureza do traço, antes ainda de criarem a dependência da borracha. Infelizmente, à medida que vamos crescendo, a mão é treinada, a linha estudada e a inocência perde-se. Exprimir desejos, sentimentos e refletir o mundo de cada um, nunca mais é feito da maneira que fazemos enquanto somos crianças… e isso tem mexido com a alma de muitos e muitos artistas artistas (estou a lembrar-me de Miró e do seu esforço ao longo da vida no sentido da simplificação do traço).
É por isso que me encantam os trabalhos dos meus pequenos aprendizes das Artes e é por isso que, na nossa casa, a arte da Ca mistura-se com a minha e com a de outros artistas dos quais gostamos. Desde sempre emoldurámos os desenhos, pinturas e pequenas esculturas que a Ca está constantemente a fazer e desde sempre ela viu o seu trabalho valorizado. No quarto, tem uma parede a que chamamos de “galeria”. Lá, expõe as suas obras favoritas e está sempre a ser atualizada a seu gosto.
Desta vez, resolvemos ir um pouco mais longe e juntar as nossas duas expressões. Começámos por selecionar dois desenhos de quando era bem pequena, duas obras com muito significado para nós – a mãe, o pai e ela. Digitalizei-os em alta resolução, com uma grande ampliação, pintei-os ao meu modo e eis o que saiu:

Um dia, em casa da minha avó, resolvemos remexer a sua gaveta de naperons e, como já não os utilizava, a Mimila ofereceu-me alguns, na certeza de que eu faria bom uso deles. Na realidade, lembrei-me de que podiam ser aplicados em fronhas de almofada, tornando a minha avó sempre presente cá em casa. A minha mãe ofereceu-se para as fazer (já que o meu jeito para esta tarefa deixa muito a desejar…) e saíram lindas, lindas!