Foi a primeira vez que fizemos uns gavetões assim. Ou melhor, foi a primeira vez que fizemos gavetões. 😀
Não fosse o projeto do hostel para o qual criámos alguns objetos e mobiliário por forma a responder às necessidades dos viajantes e, se calhar, nunca nos teríamos lembrado de umas peças como estas… tão giras e tão práticas! Excelentes para quem tem pouco espaço e precisa de uma solução de organização aproveitando o espaço debaixo da cama.  No quarto de hóspedes e no quarto da Cá temos camas com gavetões, mas devo dizer que estes que fizemos, com tampa, são bem melhores pois, aqui, ao contrário das gavetas da cama, o pó não entra.

Há tempos partilhámos esta imagem no Facebook e no Instagram. São umas simples prateleiras, mas fizeram muito sucesso!… talvez por se assemelharem a caixotes, por serem simples, de linhas direitas, por serem de um material diferente, em OSB… não sei, mas o que é certo é que nos fizeram algumas perguntas sobre elas e eu vou tentar responder aqui.
Estas prateleiras fazem parte da área de book sharing do Hostel ImpactHouse e, por isso, foram desenhadas para sustentar livros e à medida de uma pequena parede entre duas janelas.

Destas ideias é que eu gosto: aproveitar o que já temos e dar-lhe ares de que acabou de ser adquirido numa loja gira! Depois de tudo o que destralhámos nos últimos tempos, adquiri o hábito de pensar primeiro numa solução de reaproveitamento antes de adquirir algo novo, desnecessariamente, cá para casa. Foi o que aconteceu com a jarra de vidro que hoje partilho aqui. Depois de ver esta garrafa da Zara Home – tão gira! – numas fotografias do catálogo, achei que podia facilmente fazer algo parecido, numa jarra um pouco sem graça, com as sobras da napa que utilizei para fazer esta prateleira suspensa.
E como, esta semana, deitaram abaixo uma árvore aqui da rua, e eu lá fui (claro, não me contive!) recolher um ramo para colocar na “nova” jarra, cheguei à conclusão que era dever cívico partilhar tanta beleza que juntos deram à nossa sala.

Podem ser detalhes, mas “é na atenção aos detalhes que difere um trabalho mediano de um bom trabalho”. Esta foi uma das coisas mais importantes que aprendi já nos tempos da Faculdade de Belas Artes. Um detalhe pode ser muito, pode ser tudo.
O nosso novo quarto é simples, desprovido, mas com alguns pequenos detalhes que fazem dele a nossa cara e, por isso, nos sentimos aqui tão bem, entre livros, pintura, escultura, fotografia, texturas, materiais naturais, objetos dos quais gostamos, que nos ofereceram e que fizemos.
Prometemos este artigo, acerca dos detalhes que escolhemos para compor o novo ninho, e aqui estão eles!