… É o que me ocorre dizer depois de ver a nossa mais recente “obra”.
A ideia foi terminar o canto de estudo da Ca sem gastar muito, aproveitando os restos de contraplacado que havia cá por casa (que este mês já estamos para lá de fartos de gastos! Mês duro este, não? Inscrições nisto e naquilo, mais livros de leitura obrigatória, gramáticas e dicionários de línguas pedidos já depois das aulas começarem… nunca mais acaba…).
Foi uma ginástica e tanto! Não estou a falar financeiramente (que essa também), mas conseguir fazer prateleiras jeitosas com os restos de madeira que tínhamos.
Mas — como é que se diz? — a necessidade aguça o engenho, não é?
E pronto! Nada como umas prateleiras em z para conferir mais graça ao canto, apoiar os livros à esquerda e à direita e solucionar o problema de conseguir chegar de um lado ao outro com placas pequenas.

Felizmente que este ano decidimos tratar logo de todos os materiais, trabalhos, livros, testes, papeladas e cadernos que a Ca trouxe do 6.º ano. Se tivéssemos que o fazer agora, era mais uma tarefa para nos atrapalhar e que iríamos fazer “às três pancadas”!
Setembro é sempre um mês um pouco louco por aqui… Nesta altura, lembro-me sempre do Coelhinho Branco da Alice, a correr que nem um louco e a sentir que o tempo lhe foge constantemente. Nem acredito que, não tarda, temos o Natal à porta e mais um ano a terminar… e não, não fiz tudo o que gostaria e que imaginei fazer no início deste ano… bolas! (Mas, sobre isto, conversaremos mais tarde!)

Eis que chegam as tão desejadas férias… e o que se faz nos primeiros dias? Organização e limpezas!
Se há coisa que gosto mesmo de fazer é ir de férias com tudo organizado — trabalho, casa, saúde, papeladas,… É que já sei que setembro vai entrar em grande, com muito trabalho, regresso às aulas, às rotinas diárias e, logo de seguida, vêm as chuvas e os dias pequenos.

Outra tarefa que podemos aproveitar para fazer, quando estamos sem disponibilidade para empreitadas maiores, é tirar de casa, das garagens, dos arrumos ou dos jardins, aquilo que atravanca, está avariado ou não tem mais uso e é demasiado grande para deitar no contentor do lixo.
Há coisas que andam por aqui há imenso tempo por não sabermos o que fazer com elas. Depois de destralharmos a oficina, ficámos com uma série de madeiras velhas e outros materiais num canto do jardim, à espera de solução. Alugar um contentor não faz sentido e fica caro, colocar no lixo também não é possível…
A tarefa de hoje foi, então, ligar para o Departamento do Ambiente da Câmara Municipal e combinar um dia para passarem à nossa porta para fazer a recolha destes resíduos. Facílimo! Aqui, em Cascais, existe uma Linha Verde 800 203 186 (chamada gratuita). Ligámos, indicámos a morada e já marcámos para daqui a dois dias. Na noite anterior é só colocar na rua.
Um eletrodoméstico avariado, um colchão, qualquer peça de mobiliário,… tudo pode ser recolhido assim.
Abandonar resíduos no espaço público constitui uma contraordenação grave punível por lei e já todas as Câmaras Municipais terão este serviço.

É óbvio para todos que vivemos num mundo consumista e que é demasiado fácil encher as nossas vidas de “coisas”. Nesta empreitada de tornar a casa um local de serenidade, muitas das nossas tralhas vão ter que sair e poucas novas entrarão. É um compromisso que temos que assumir…