O Marc é um artista. Um artista dos que gostamos!… talvez por acharmos que é muito parecido connosco. Tem o nosso espírito. Gosta de aprender, experimentar, criar com as próprias mãos e partilhar com os outros tudo o que aprendeu. O Marc e a sua companheira de eleição, a São, são fazedores… como nós. 😀
Em 2016, recuperaram o espaço, que em tempos foi a livraria Bichinho de Conto, para aí instalar a Qual Albatroz, oficina e loja. Este espaço com muita alma na Fábrica da Pólvora, em Barcarena, estava vazio, a cheirar a mofo e a degradar-se por falta de calor humano. Agora, está recheado de madeira, papel, palavras e tintas. Está linda outra vez!… e de portas abertas para todos quantos queiram lá entrar, dar dois dedos de conversa, comprar um livro único, feito à mão, uma serigrafia, um postal ou até mesmo fazer um dos workshops (de desenho, ilustração, serigrafia, marcenaria,…) com este artista.

1 de Dezembro. Para a maioria é dia de espalhar o espírito de Natal pela casa.
Por aqui, também estamos a deixar para trás as vibes de outono e a passar para as de inverno (faltam apenas 20 dias). Mas o outono chegou tarde e ainda se fez sentir tão pouco, que nós queremos mais. E, este ano, a nossa casa vai-se engalanar de verde, preto, vermelho e um outonal caramelo.

Uma das primeiras decisões que tomámos quando viemos para esta casa foi que fecharíamos a lareira com um recuperador de calor de inserir. Uma boa decisão. Até hoje não nos arrependemos de o ter feito. Por isso, olhando para a nossa lareira super acolhedora e quentinha, tomei uma decisão que comuniquei ao nosso homem:
“Vou escrever um artigo acerca de recuperadores de calor.”
“E o que sabes tu desse assunto?” – perguntou ele.
“Hhhhhmmm… sei de experiência própria; sei que quando sugeriste esta solução eu torci o nariz, mas que hoje acho-a perfeita!… e vou informar-me de mais uns quantos pormenores.”

Esta imagem foi uma das que publiquei no Instagram esta semana. Ai, inspiração! O feedback foi tão positivo que é hoje a imagem de destaque deste artigo. Para além do mais, é o exemplo perfeito daquilo que quero partilhar – um canto da nossa cozinha reorganizado com os objetos que decidimos manter depois do “destralhanço” dos armários. São aqueles dos quais não prescindimos, nos quais gostamos de tomar um café ou um chá reconfortante, que contribuem para a imagem perfeita do nosso espaço ou que levamos para a mesa com muito orgulho.
Dinheiro investido na remodelação deste espaço: 0.
Tempo dispendido: uma tarde divertida.
Manutenção: a essencial para limpar pó e migalhas. De resto, desde que foi (bem) organizado, nunca mais este espaço se desarrumou.