Recuperar móveis para uma estante eclética

Antes de nos desfazermos de um móvel, podemos pensar em como podemos reaproveitá-lo. Existem milhões de soluções: secretárias que passam a apoiar lavatórios na casa-de-banho, cadeiras que passam a prateleiras, camas que se tornam sofás… enfim! Basta procurar na internet e ideias não faltam.
Foi quando procurava uma solução de estante (de baixo custo) para a minha sala, no atelier, que resolvi socorrer-me de todas as prateleiras e móveis antigos – alguns já desmontados e “arrumados” entre as madeiras da oficina, carregadinhos de pó – e fazer uma composição ao estilo eclético.

O Eme olhava para esta minha obra desconfiado. “Hhm… que estás a fazer? Vais usar isso?!”

Na altura ainda pensei: “Isto é provisório. Logo que possa comprarei um móvel novo para aqui.” Mas nunca mais procurei móveis novos, porque ainda não me cansei deste, está feito exatamente à minha medida, à medida dos meus livros e dos meus “tarecos”.
O único móvel comprado de propósito na IKEA foi o castanho com duas portas (baratíssimo, claro!).

 

 

O móvel de gavetas (ao centro) era a mesinha de cabeceira da minha mobília de criança.
A prateleira cinzenta (à esquerda) era um tábua de pinho que pintei e envernizei (bem como os suportes).
Por cima das gavetas coloquei uma prateleira, de um outro qualquer móvel desfeito, a suportar a parte de cima da minha escrivaninha de miúda, agora pintada de branco.
As gavetas pequenas, encontrei-as na rua e pintei-as de branco. Faziam parte de uma secretária antiga, acho eu.

 

 

 

 

E, claro, não podia deixar de colocar uma planta num vaso de vidro, que suspendi com um camarão.

Obviamente as cores não são um acaso, fazem parte da paleta que escolhi – castanhos, cinzas e brancos, e o jogo de móveis foi muito pensado. Trabalhei várias soluções ates de chegar a esta. Ainda me fartei de carregar, empurrar, levantar… mas tudo dá trabalho, certo?

E vocês, já reaproveitaram algum móvel para uma solução em que, à partida, não pensariam?

Carlota

Sem Comentários

Publique um comentário