Como fazer uma pequena obra em casa?

A  dica de hoje é para as senhoras que nos seguem.
Querem colocar umas cortinas novas na sala, um espelho lindo no quarto ou substituir o candeeiro old fashion do escritório, mas já não sabem como pedi-lo ao marido? Precisam de um furo numa parede, mas já contam que vão ouvir reclamações, protestos, “mas para que é que vais pôr isso aí?” ou “agora não posso, faço isso quando puder”… e depois, nunca mais se faz e as coisas ficam para lá guardadas na embalagem?
E conhecem a sensação de ter que justificar o propósito do que queremos fazer, porquê, por que é que não estava bem como estava, etc., etc.,  até que eles se decidam a pegar no berbequim e avançar?
Pois é. É por essas e por outras que resolvi aprender a utilizar as ferramentas cá de casa. Este ano já aprendi muito, no que toca a bricolage e pequenas obras em casa. Ainda não fiz imenso, é certo, mas já vou fazendo qualquer coisa e, melhor do que isso, já me sinto com alguma força anímica para meter mãos à obra sozinha!

No entanto… entretanto… descobri uma técnica infalível que põe os nossos maridos a ajudar de livre vontade, sem muitas perguntas, e que tenho mesmo que partilhar com vocês. Esta divulgação tem riscos, pois o Eme ficará agora, também, a conhecer esta estratégia e, isso, poderá virar-se contra mim, mas, por todas as nossas seguidoras que ainda não têm coragem para pegar no berbequim, eu correrei esse risco!
Então cá vai:

COMO COLOCAR OS NOSSOS MARIDOS A FAZER UMA OBRA EM CASA DE LIVRE E ESPONTÂNEA VONTADE

1. Preparam tudo o que precisam para a tarefa – desamparam o espaço, desembalam as coisas, lêem instruções, vão buscar as ferramentas necessárias,… tudo pronto para começar!

2. Depois, chegam-se ao pé dele e perguntam:

“Amor, arranjas-me buchas para estes parafusos?” ou “Amor, temos cá parafusos para isto?” ou “Amor,…” (o “amor” tem que entrar sempre! Ou isso ou algum diminutivo fofinho.) “… ajuda-me só aqui a colocar esta broca no berbequim… é esta, não é?”

Aqui, eles olham para nós com ar de terror (mas nós já estamos a contar com isso) e perguntam:

“Mas o que é que tu vais fazer com isso?”

3. Explicamos, mas sempre sem desenvolver muito:

“Vou só colocar uns cortinados novos ali na sala, mas não te preocupes que eu sei fazer isso.” (Santinhas…)

“O quê? Nem penses! Deixa estar que isso é melhor ser eu a fazer.” (Mexer nas ferramentas deles? Sacrilégio! Isso é que não!)

“Não, amor…” (reforça!) “… mas é que eu queria fazer isso agora… até já comecei, já medi tudo, já preparei tudinho…  eu faço, deixa-te estar.”

“Eh pá, agora?!” (Eles reclamam sempre um pouco.) “Deixa lá ver isso. Hhhmmm… não, não é com estes parafusos… têm que ser os outros que tenho ali.”

E vão buscar.

“Tem que ser com estes, assim.” (E explicam a teoria. Eles adoram quando nos ensinam qualquer coisa.)

“Ah, ok. ‘Bigadaaaa!”  (Sempre fofas, nós!)

“Mas deixa estar que eu faço. Já mediste? É aqui o furo? Liga aí o berbequim, se faz favor.” (Feito!)

😉

4. Durante a obra ainda podemos dizer:

“Foi por isso que me casei contigo! És mesmo um fofo! Fico-te a dever esta.”

E, no final, a devida beijoca!

Cá em casa tem resultado inúmeras vezes!
😉 😉 😉

De outra forma, terão mesmo que aprender a usar o berbequim. Recordo a primeira aula, que gravámos há tempos:

Aparafusadora e berbequim

Carl♥ta

 

4 Comentários
  • Rita Duque
    Publicado às 18:34h, 31 Dezembro Responder

    Esta está muito boa!

    • Carlota
      Publicado às 18:51h, 31 Dezembro Responder

      Ritinha, beijinho! Bom ano novo para ti!

  • Filipa
    Publicado às 15:47h, 01 Janeiro Responder

    Já usei essa e resulta mesmo:))))

    • Carlota
      Publicado às 19:49h, 01 Janeiro Responder

      😀
      😉

Publique um comentário