Como colocar um estore

Mais uma missão cumprida!… E a nossa casinha, já com algumas décadas, vai rejuvenescendo a pouco e pouco (há dias em que achamos demasiado pouco, mas enfim). Desta vez, dissemos adeus a um velho estore, todo amarelado, que já nos andava a atazanar há anos! Sempre que entrávamos na rua e víamos a nossa casa, lá estava ele… amarelo e feioso!

Deuses…

Mas as coisas têm que ir sendo feitas à medida das possibilidades e, convenhamos, nos últimos anos as possibilidades reduziram-se significativamente…
E aqui está uma tarefa que fica bem mais em conta se formos nós mesmos a fazer – substituir um estore velho por um novo, de melhor qualidade e mais isolante.
No nosso caso, não substituímos por um completamente novo. Era de uma outra janela, do atelier, que sofreu uma obra, e que tem exatamente a mesma medida desta que precisava de reforma. Como era um bom estore, em alumínio e relativamente novo, já que o tínhamos guardado, bem como as calhas, resolvemos avançar e substituir o velho que se via do fundo da rua.

Aqui fica como fizémos:

Retirámos a calha antiga (foi só desaparafusar), fizémos furos para a nova calha e colocámo-la de um lado e do outro da janela.
(Mudança de tipo de estore implica mudança de tipo de calha também.)

estore_1

 

Quando adquirem um estore novo devem adquirir também as peças que o fixarão ao varão.
Aparafusámos, então, as peças, mas com a primeira régua colocada, para perceber a direção (o verso fica virado para o interior).

estore_2

 

Com a fita toda enrolada (subida), começámos a colocar as réguas encaixando-as de um lado e fazendo-as deslizar até ficarem centradas. A última régua é diferente de todas as outras, é um terminal onde se irá colocar os travamentos.

estore_3

estore_4

 

Puxando a fita, enrola-se todas as réguas até ser possível passar pela fresta da janela e inserir na calha. Este trabalho é mais simples quando executado por duas pessoas, já que uma trata de puxar a fita do estore e, outra, de o encaixar na calha e acertar as réguas por forma a deslizarem sem problemas.

(Não é coisa que se faça assim… num piscar de olhos…)

estore_5

 

Por fim, colocámos as peças de travamento e ficou pronto! Como novo!

estore_6

 

Super, super fácil! Trabalho para umas duas horas, já com a retirada do velho e respetivas calhas.

Agora, mais umas dicas:
• Fomos ver o valor dos estores no Leroy Merlin (para aproveitar e substituir também os da sala) e achámos caros, além de que teríamos que cortar as réguas com a medida pretendida. Vamos tentar numa loja da especialidade, onde podemos comprar com a medida que necessitamos e onde acreditamos que seja mais em conta;
• Estores de alumínio ou de plástico? Estores de alumínio, embora mais caros, são uma melhor opção no que toca à segurança; estores de plástico são mais baratos, mas têm um menor isolamento acústico, deformam mais, partem-se com mais facilidade e amarelam (pelo menos, era como estavam os nossos, com o plástico ressequido e as réguas todas amareladas).

 

E com esta nos vamos.
Continuação de bom fim-de-semana e boas remodelações!

Carlota e Eme

2 Comentários
  • Anabela
    Publicado às 10:23h, 28 Novembro Responder

    Bom Dia,

    Uma achega em relação aos estores de alumínio, não lhe retirando as qualidades que foram, e muito bem, descritas mais acima, termicamente perdem para os de pvc, aquecem imenso com o calor, arrefecem mais com o frio, fora isso, são um excelente material e muito durável.

    Beijinhos,
    Anabela

    • Carlota
      Publicado às 07:06h, 29 Novembro Responder

      É verdade, Anabela. Esquecemos foi de dizer que, como os nossos, os estores de alumínio podem ter um isolante térmico, de espessura variável no interior, o que melhora bastante o seu desempenho em termos de isolamento, a nível de ruído e a nível térmico. Os estores de plástico embora não sejam grandes isolantes do frio são maus condutores térmicos e por isso são bons para proteger do calor, sim.

Publique um comentário