Oito hábitos simples que devo a familiares e amigos

Tudo o que vou mencionar, tenho que agradecer a familiares e amigos – gente que me tem dado bons exemplos, bons conselhos e que de certeza se reverá em alguns destes meus/seus hábitos. Beijos para vocês!

 

1 – Se vem a senhora da limpeza, dou um jeito à casa.
Quanto mais arrumada estiver, mais limpa ficará no final. Isto, para além de lhe passarmos a ideia de que fazemos gosto em ter uma casa “bem cuidada” e que não esperamos menos do seu trabalho. Com o tempo, ela percebe os nossos “esquemas de arrumação” e tende a fazer igual ou melhor! 😉

 

2 – Usamos duas esfregonas, uma para o wc e a outra para o resto da casa… e ainda outra para o atelier.
Este, devo-o à minha mãe ♥

 

3 – Sapatos da rua não passam do hall de entrada.
Só de imaginar o que pisamos todos os dias na rua… é que muito do que pisamos não se vê a olho nú.

 

4 – Limpar o rosto assim que chego a casa.
Este é muito recente e devo-o a uma nova amiga 😉 Da mesma forma que, antes, lavar as mãos era a primeira coisa que fazia ao chegar a casa, agora faço também a limpeza do rosto. Incrível como nunca tinha pensado nisto! É que antes de ir para a cama, depois de ter estado a fazer ronha no sofá, com a cara quentinha, custa muito mais!

 

5 – A esponja e o pano da loiça vão ao microondas de vez em quando, para matar a bicharada.
E, se for possível, ainda os estendo a secar ao sol.

 

6 – Ao final do dia, uma secretária arrumadinha.
Recomeçar, no dia seguinte, é bem mais rápido e prazeroso!

 

7 – Nunca saio de casa com a cama por fazer, nem com a meia do pé rota!
Nunca se sabe o que pode acontecer.
(Podemos ver uns sapatos lindos e querer experimentá-los!)

 

8 – Assumir um dos meus defeitos, a distração. E tentar ter a noção de onde é que vou falhar se facilitar. Combater a distração com a organização!
Estes, são vários, mas complementam-se. Devo-os ao meu pai ♥.
Lembro-me de crescer com a minha mãe a dizer “És uma cabeça no ar! És tão distraída, sais ao teu pai!”; De facto, o meu pai sempre assumiu o seu caráter distraído e eu tenho muito presente a sua luta para deixar escapar o menos possível: recados e post-its na secretária, na pasta e no carro (que a minha irmã – mais do que eu – lhe deixava), sempre uma pasta de mão com todos os documentos muito organizados (em pele… lembro-me de todas as suas pastas!), uma agenda em cima da secretária, uma secretária muito arrumada. Hoje tenho a noção – e acho até que ele me disse uma vez – que, como sabe que é distraído, tem que criar uma série de rotinas e apostar na organização, para minimizar os problemas que daí poderão advir. Também eu tenho consciência deste meu defeito (que tem vindo a decrescer ao longo dos anos, acho eu…). Mais a mais porque casei com um homem que é raríssimo ser “apanhado” numa distração e que, ainda por cima, vem de uma família em que são todos assim, o oposto da minha… e pouco tolerantes com os distraídos. 😜
Isto tudo para dizer que, por fim, o décimo hábito que torna a minha vida um pouco mais organizada, é assumir o meu caráter distraído, ter noção das minhas possíveis distrações e combatê-las logo à priori com estratégias simples.

 

E é isto! É provável que haja mais um ou outro hábito de que não me esteja agora a recordar. E espero que estes oito hábitos se transformem em mais… nada de compulsivo, nem doentio… apenas coisas simples, não dolorosas, e até engraçadas, que possam fazer parte dos nossos dias tão naturalmente como todas as nossas outras necessidades básicas. 🙂

1Comentário
  • Emilia
    Publicado às 23:42h, 22 Fevereiro Responder

    Muito bem. Os bons exemplos são para se seguir. bj

Publique um comentário